Uso das TICs nas comunidades rurais, um recurso indispensável no contexto de COVID-19

Projeto REFLOR-CV da FAO apoia associações comunitárias beneficiárias na otimização das TIC

O uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) têm aumentado cada vez mais e, neste contexto de COVID-19, faz ainda mais sentido ter acesso a elas e saber como utilizá-las. Para as comunidades rurais, o uso destas ferramentas deve ser otimizado, a fim de obterem o máximo de benefícios possíveis, tanto para a visibilidade das suas atividades como para a conexão com o projeto florestal gerido pela FAO.

É nesse sentido que o Projeto "Reforço das capacidades de adaptação e resiliência no setor florestal de Cabo Verde" (REFLOR-CV) organizou um conjunto de formações destinadas a membros das comunidades rurais para orientá-los a fazer o melhor uso diário das redes sociais, plataformas digitais e outras TIC. 

Membros de associação comunitárias rurais participam na formação sobre o uso das TICs nas zonas rurais e na gestão ambiental

Dez associações participaram desta ação de capacitação em Tecnologias de Infomação e Comunicação, abrangendo os concelhos de Santa Catarina, São Lourenço dos Órgãos e Tarrafal de Santiago. Para as pessoas que não estavam habituadass a usar tais ferramentas, foi um momento de aprendizagem que facilitará bastante a comunicação e melhorará a visibilidade de seu trabalho e do REFLOR-CV.

A maior vantagem que as associações podem tirar é que os beneficiários percebam que o uso diário de ferramentas TIC facilita não só as suas ações de comunicação, mas também ajuda a aumentar a sua cultura digital, considera o facilitador da formação, o consultor de TIC do projeto, Fernando Vaz. Por outro lado, frisa que além de contribuir para aumentar a alfabetização digital nas comunidades, certamente melhorará bastante a forma como essas associações se comunicam com as suas comunidades, seus parceiros e seus membros, dando outra dinâmica na disseminação de suas atividades e na visibilidade das suas ações. Lembra ainda que a participação nas formações foi marcada por muito entusiasmo e, nos exercícios práticos, foi possível perceber imediatamente o desejo de aprender cada vez mais.

António Monteiro Moreira, um dos participantes, agradeceu a possibilidade de participar deste treinamento que, segundo ele, contribuirá e muito para melhorar a sua comunicação, mas também para ter acesso a informações relacionadas com o projeto REFLOR-CV.

“Agora temos mais elementos para usar as tecnologias da forma mais correta e eficiente. Espero que, a partir de agora, a nossa forma de comunicar, assim como com a equipa do REFLOR-CV, melhore ainda mais”.

O Projeto “Reforço da capacidade de adaptação e resiliência no setor florestal em Cabo Verde” é uma iniciativa do Governo de Cabo Verde, financiado pela União Europeia e gerido pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que também financia.

O projeto tem como o objetivo  principal o de aumentar a resiliência e a capacidade de adaptação para enfrentar os riscos e impactos adicionais resultantes das mudanças climáticas na desertificação e degradação da terra em Cabo Verde, assente numa abordagem participativa e sensível ao género.

Jovens, mulheres e homens das associações rurais otimizando os uso das TICs nas zonas rurais. Projeto REFLOR-CV facilita formação

Os grupos diretos interveientes são mulheres, homens e jovens proprietários e agricultores das zonas rurais que irão beneficiar da transferência de conhecimento e tecnologia sobre o estabelecimento e gestão das florestas plantadas.

O projeto é implementado nas ilhas de Santiago, Fogo e Boa Vista, correspondendo a área prevista de intervenção/(re)florestação de cerca de 800 (oitocentos) hectares nas 3 ilhas.

 

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
FAO
Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura