Lançamento Oficial da Vacina Contra HPV e Hep B em adultos

Discurso da Sra. Coordenadora Residente do Sistema das Nações Unidas em Cabo Verde por ocasião do Lançamento Oficial da Vacina Contra HPV e Hep B em adultos

Senhor Primeiro Ministro, Excelência

Senhor Ministro da Saúde e da Segurança Social, Excelência

Senhor Director Nacional de Saúde

Senhores  representantes do Corpo Diplomático

Caros colegas Representantes do UNICEF e da OMS

Distintos convidados

 Senhoras e Senhores

As minhas primeiras palavras são de felicitações ao país e em particular ao Ministério da Saúde e da Segurança Social, por mais este passo importante no domínio da vacinação que se traduz na introdução da vacina contra o Papilomavirus Humano (HPV) e contra a Hepatite B, enquadrada numa estratégia ampla de luta contra cancro. Este marco histórico acontece num contexto delicado da pandemia da COVID-19, que, por um lado demonstra a determinação do país em manter os serviços essenciais de saúde, e por outro lado dar a sua contribuição ao objetivo global de eliminar o cancro do colo uterino, tanto  a nível nacional e como mundial.

Já é cientificamente provado, e ao longo dos tempos, que a  a vacinação tem uma importância  inestimável na eliminação de doenças e consequentemente para  salvar milhões de vidas em cada ano. O ano passado a OMS lançou a “Estratégia Mundial para acelerar a eliminação do cancro do útero 2020-2030”, enquanto problema de saúde pública mundial e tem vindo a alertar o público sobre os objetivos e metas estabelecidos pela estratégia: até 2030, todos os países poderão atingir 90% de cobertura vacinal contra o HPV, 70% de cobertura de rastreio, e acesso ao tratamento do cancro do colo do útero para 90% das pessoas afetadas, incluindo o acesso a cuidados paliativos.

A estratégia foi lançada num momento desafiador, no contexto da pandemia de COVID-19 em que em tantos países assistimos a interrupção dos serviços de vacinação, triagem e tratamento; encerramento de fronteiras que reduzem a disponibilidade de suprimentos; novas barreiras que impedem tantas mulheres particularmente em áreas rurais de viajarem para centros de referência para tratamento; ou o encerramento de escolas que interrompem os programas de vacinação. É essencial que os países possam continuar a garantir que a vacinação, a triagem e o tratamento continue a acontecer com segurança e com todas as precauções necessárias.

Senhor Primeiro Ministro

Minhas Senhoras, meus Senhores,

Manter o acesso universal à vacinação como uma prioridade no âmbito dos esforços para reduzir a mortalidade, morbilidade e incapacidades, é sem dúvida ajudar os países a atingirem as metas de longo prazo, incluindo os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), no que concerne às áreas tanto da saúde, como da economia e do desenvolvimento.

Cabo Verde, tem sido uma referência  no que se refere à definição de políticas e identificação de estratégias direcionadas à promoção da saúde, bem como à adesão às iniciativas mundiais e regionais para o controlo e/ou a erradicação das doenças evitáveis pela vacinação, com reconhecidos resultados significativos, nomeadamente, a taxa de cobertura vacinal acima dos 95% em crianças.

Agora, o país assume um desafio diferente – desta vez, a atenção será dada às adolescentes, com a vacinação contra o HPV, e aos adultos/técnicos de saúde contra a Hepatite B!

Estamos convictos que a introdução destas duas vacinas, associada ao reforço de comunicação e sensibilização da população, representa um contributo para o aumento da prevenção dessas doenças e consequente redução da incidência dos cancros, principalmente do cancro do colo do útero, que tanto aflige as mulheres no mundo, em África e em Cabo Verde.

Desde 2015, a OMS e o UNICEF vêm trabalhando com o Ministério de Saúde e Segurança Social na preparação para a introdução da vacina contra HPV e a elaboração do plano de introdução.

Hoje celebramos este marco e regozijamo-nos com o notável empenho do Governo de Cabo Verde em reforçar e reunir as capacidades nacionais, dos sectores públicos e da sociedade civil e a crescente e reconhecida consciencialização da sociedade cabo-verdiana para a implementação das políticas e estratégias em prol da prevenção e promoção da saúde.

As Nações Unidas em Cabo Verde, que aqui represento, particularmente  a OMS e o UNICEF, renovam a sua total disponibilidade e compromisso em continuar a colaborar com o Ministério da Saúde e da Segurança Social na promoção e implementação de estratégias que garantam a promoção da saúde e a prevenção de morbilidades, assim como na conquista dos grandes objetivos definidos pelo país para que ninguém fique para trás nos cuidados de saúde.

Um bem-haja a todos e                                                                                          

Muito obrigada

Discurso de
Autor
Ana Patricia Graça
Coordenadora Residente
ONU
Ana Graça
Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
RCO
United Nations Resident Coordinator Office
UNICEF
Fundo das Nações Unidas para a Infância
OMS
Organização Mundial da Saúde