Lançamento Oficial da Vacina Contra HPV e Hep B em adultos

Discurso da Sra. Coordenadora Residente do Sistema das Nações Unidas em Cabo Verde por ocasião do Lançamento Oficial da Vacina Contra HPV e Hep B em adultos

Senhor Primeiro Ministro, Excelência

Senhor Ministro da Saúde e da Segurança Social, Excelência

Senhor Director Nacional de Saúde

Senhores  representantes do Corpo Diplomático

Caros colegas Representantes do UNICEF e da OMS

Distintos convidados

 Senhoras e Senhores

As minhas primeiras palavras são de felicitações ao país e em particular ao Ministério da Saúde e da Segurança Social, por mais este passo importante no domínio da vacinação que se traduz na introdução da vacina contra o Papilomavirus Humano (HPV) e contra a Hepatite B, enquadrada numa estratégia ampla de luta contra cancro. Este marco histórico acontece num contexto delicado da pandemia da COVID-19, que, por um lado demonstra a determinação do país em manter os serviços essenciais de saúde, e por outro lado dar a sua contribuição ao objetivo global de eliminar o cancro do colo uterino, tanto  a nível nacional e como mundial.

Já é cientificamente provado, e ao longo dos tempos, que a  a vacinação tem uma importância  inestimável na eliminação de doenças e consequentemente para  salvar milhões de vidas em cada ano. O ano passado a OMS lançou a “Estratégia Mundial para acelerar a eliminação do cancro do útero 2020-2030”, enquanto problema de saúde pública mundial e tem vindo a alertar o público sobre os objetivos e metas estabelecidos pela estratégia: até 2030, todos os países poderão atingir 90% de cobertura vacinal contra o HPV, 70% de cobertura de rastreio, e acesso ao tratamento do cancro do colo do útero para 90% das pessoas afetadas, incluindo o acesso a cuidados paliativos.

A estratégia foi lançada num momento desafiador, no contexto da pandemia de COVID-19 em que em tantos países assistimos a interrupção dos serviços de vacinação, triagem e tratamento; encerramento de fronteiras que reduzem a disponibilidade de suprimentos; novas barreiras que impedem tantas mulheres particularmente em áreas rurais de viajarem para centros de referência para tratamento; ou o encerramento de escolas que interrompem os programas de vacinação. É essencial que os países possam continuar a garantir que a vacinação, a triagem e o tratamento continue a acontecer com segurança e com todas as precauções necessárias.

Senhor Primeiro Ministro

Minhas Senhoras, meus Senhores,

Manter o acesso universal à vacinação como uma prioridade no âmbito dos esforços para reduzir a mortalidade, morbilidade e incapacidades, é sem dúvida ajudar os países a atingirem as metas de longo prazo, incluindo os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), no que concerne às áreas tanto da saúde, como da economia e do desenvolvimento.

Cabo Verde, tem sido uma referência  no que se refere à definição de políticas e identificação de estratégias direcionadas à promoção da saúde, bem como à adesão às iniciativas mundiais e regionais para o controlo e/ou a erradicação das doenças evitáveis pela vacinação, com reconhecidos resultados significativos, nomeadamente, a taxa de cobertura vacinal acima dos 95% em crianças.

Agora, o país assume um desafio diferente – desta vez, a atenção será dada às adolescentes, com a vacinação contra o HPV, e aos adultos/técnicos de saúde contra a Hepatite B!

Estamos convictos que a introdução destas duas vacinas, associada ao reforço de comunicação e sensibilização da população, representa um contributo para o aumento da prevenção dessas doenças e consequente redução da incidência dos cancros, principalmente do cancro do colo do útero, que tanto aflige as mulheres no mundo, em África e em Cabo Verde.

Desde 2015, a OMS e o UNICEF vêm trabalhando com o Ministério de Saúde e Segurança Social na preparação para a introdução da vacina contra HPV e a elaboração do plano de introdução.

Hoje celebramos este marco e regozijamo-nos com o notável empenho do Governo de Cabo Verde em reforçar e reunir as capacidades nacionais, dos sectores públicos e da sociedade civil e a crescente e reconhecida consciencialização da sociedade cabo-verdiana para a implementação das políticas e estratégias em prol da prevenção e promoção da saúde.

As Nações Unidas em Cabo Verde, que aqui represento, particularmente  a OMS e o UNICEF, renovam a sua total disponibilidade e compromisso em continuar a colaborar com o Ministério da Saúde e da Segurança Social na promoção e implementação de estratégias que garantam a promoção da saúde e a prevenção de morbilidades, assim como na conquista dos grandes objetivos definidos pelo país para que ninguém fique para trás nos cuidados de saúde.

Um bem-haja a todos e                                                                                          

Muito obrigada

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
RCO
United Nations Resident Coordinator Office
UNICEF
Fundo das Nações Unidas para a Infância
OMS
Organização Mundial da Saúde