“Vi uma oportunidade de apresentar uma solução eficiente e inovadora para ajudar o meu país”

Tempos de crise exigem soluções criativas e perenes. E é disto que a nossa historia relata sobre o programador e designer, que passou do sonho à realidade.

Numa conversa com um tio, sobre a agricultura, germinou o Seed Plant Drone. Do sonho à realidade, Érico Pinheiro, engenheiro informático de 31 anos, Érico Pinheiro, fundador, programador e designer da PrimeBotics, Lda, viu o seu projeto ser considerado pela Africa Innovatives Magazine do PNUD, como um dos cinquenta mais inovadores de África, para combater a Covid19. Não obstante as dificuldades, o jovem acredita que havendo força de vontade, disciplina e foco e recursos, pode-se sempre fazer algo interessante

Tudo começou em 2015 quando Érico Pinheiro estava prestes a concluir o mestrado em Ciências de Computadores na Bridgewater State University nos Estados Unidos. Nessa altura, Érico decidiu criar e apresentar um projeto que fosse algo que poderia ajudar o país. E foi durante uma conversa com um dos tios, sobre o avô, um antigo agricultor que a ideia ganhou corpo. O avô, devido à idade, já não conseguia deslocar-se facilmente para o campo e por isso, teve a ideia de construir algo que o ajudava a semear e a patrulhar o seu terreno a partir de casa. Como resultado desta conversa aliada ao forte desejo de contruir um drone, nasceu o projeto Seed Plant Drone (SPD), ou Drone Plantador de Sementes. A parti dali, Érico começou a construir drones para a agricultura e reflorestação.

 Estes veículos poderão fazer voos de longo alcance, ser operados de forma manual ou autónoma para tarefas de pulverização de fertilizantes, pesticidas e disseminação de sementes em terrenos agrícolas, pulverização remota de desinfetantes em possíveis áreas contaminadas, bem como a entrega de pequenas encomendas em zonas remotas”, explica o jovem empreendedor que já construi quatro drones, mas tem já outras metas.

Com a pandemia da Covid19, o jovem viu a oportunidade de apresentar ao Accelerator Lab do PNUD, no evento denominado Lab Open Day, as soluções “Drone: plantação de sementes para reflorestação”, “Drone: desinfeção de áreas remotas”, e “Drone: transporte de suprimentos /  amostras de análises” para ajudar o país a combater os efeitos nefastos de da Covid-19. Posteriormente, o Accelator Lab acompanhou o jovem em sessões de demostração em duas ilhas, nomeadamente Santo Antão e Maio.

Agora, Érico pretende ir mais longe, desenvolvendo e comercializando drones que possam operar em todas as ilhas de Cabo Verde e em outros países, atuando nas áreas de entrega de encomendas, segurança e principalmente na agricultura e reflorestação ou demais áreas que vierem a tornar pertinentes.

O setor ambiental preocupa-o bastante, pelo que Erico está focado em construir soluções tecnológicas viáveis e eficientes para ajudar Cabo Verde lidar com questões ambientais nomeadamente a desertificação, escassez e ineficiência de métodos/ferramentas tecnológicas e inovadoras para agricultura. Porém, tem em mente diversificar a oferta para outras áreas como o delivery e a segurança.

Érico Pinheiro, no terreno com o drone desenvolvido por ele, em testes

O apoio do Acceletaror Lab do PNUD foi a alavanca que o permitiu mostrar o projeto a nível internacional, ao ponto de ter ido escolhidos pela revista de inovação do PNUD como uma das cinquenta mais inovadoras soluções para responder aos desafios derivados da pandemia.  Para Érico, a escolha, para além do orgulho traz-lhe maiores responsabilidades.

Com muita honra e satisfação que recebi a notícia da seleção, que ao mesmo tempo trouxe uma responsabilidade acrescida de conseguir dar respostas sérias e eficientes às expectativas. Fiquei muito orgulhoso de mim e de todos que, de alguma forma, me têm apoiado com o projeto ao longo destes cinco anos de muito trabalho, de estar de certa forma a representar o meu país a nível internacional através daquilo que acredito e que invisto tudo de mim, todos os dias. Como empreendedor, certamente deu-me mais força, garra, entusiasmo e coragem para continuar a trabalhar arduamente no meu sonho, engajando todos os esforços em prol de construção de soluções reais para problemas reais que assolam o nosso Cabo Verde e não só.

Érico fala de constrangimentos e dificuldades, mas acredita que havendo força de vontade, disciplina e foco e recursos, pode-se sempre fazer algo interessante apesar das limitações. Estar-se atento às oportunidades do momento é uma caraterística essencial, e o jovem empreendedor acredita que com isso, mais jovens poderão identificar soluções inovadoras e necessárias para o contexto que vivemos

Para os seus colegas, que também querem empreender, Érico deixa o seguinte recado.

“Lembrem-se sempre desta frase: “Se fosse fácil, toda gente o faria”. As oportunidades aparecerão em algum momento da nossa vida, mas o que fará a diferença entre o sucesso ou o fracasso será a nossa postura de como a recebemos e o nosso grau de preparação, seja ela académica ou não, para tirar proveito dela. Por isso nunca deixem de aprender coisas novas, e de especializarem naquilo que realmente gostem de fazer. Sejam autodidatas. A educação formal não é uma garantia de sucesso, mas é um dos pilares fundamentais para o alcançar. Tenham força, foco, dedicação, disciplina e espírito de sacrifício, trabalhem todos os dias naquilo que acreditam e certamente o vosso momento de chegará.”, finaliza.

 

 

 

 

Escrito por
Autor
Natacha Magalhães
Analista de Comunicação do Escritório Conjunto do PNUD/UNFPA/UNICEF
PNUD
Analista Comunicação JO
Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
PNUD
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento